‘Mini weddings’ conquistam os noivos em Campinas

0

A pandemia de Covid-19 não poupou nem mesmo os casamentos. Ou pelo menos as festas depois da cerimônia: por causa do vírus, de repente ficou impossível realizar aqueles eventos tradicionais, reunindo dezenas de parentes e convidados.

Mesmo agora, com a situação já mais controlada, ainda há o temor de se reunir muita gente num mesmo espaço. Mas, como todos os demais setores, o de eventos também se adaptou – e esse segmento específico encontrou uma saída chamada mini wedding.

Trata-se e de uma reunião mais intimista e com menos convidados, sob medida para os casais apaixonados que não aguentam mais esperar para celebrar o amor com familiares e amigos. A tendência começou na Capital paulista e já chegou a Campinas, onde representa até 25% do faturamento (considerando também as reservas já feitas, até junho do ano que vem) das empresas que atuam no segmento.

Aline Antiqueira e Tié Delhaye, ambos profissionais de Educação Física, por exemplo, festejaram em setembro seu casamento após cinco anos de namoro com muita alegria e animação junto a 25 convidados. “A vantagem é que tudo saiu como nós queríamos, num clima bem familiar e aconchegante. A desvantagem é que temos muitos amigos que amamos e queríamos que todos eles estivessem com a gente naquele momento, mas aí deixaria de ser intimista”, brinca Aline.

Ela diz que, para o mini wedding dar certo e evitar atritos e frustrações, é importante que o casal compartilhe da ideia. “Nós não tivemos nenhum problema para definir os convidados: apenas os pais, tios próximos e padrinhos”, afirma.

Para a festa, o casal escolheu o Fogão Mineiro Sousas, restaurante que atua há 17 anos em Campinas – que notou o aumento da procura por eventos do tipo e tratou de aproveitar.

“Com a pandemia, a procura por casamentos menores aumentou, então adaptamos a casa com setores específicos para atender melhor esse tipo de evento. Hoje temos diversos cenários diferentes, que permitem personalizar a festa de acordo com o desejo de cada cliente. Temos um jardim, um salão espaçoso e até uma capela”, diz Márcia Oliveira, sócia-proprietária da casa.

Segundo ela, a novo braço do segmento representa um boa oportunidade para o setor virar a mesa da crise. “Hoje, os eventos intimistas já representam 25% do nosso faturamento mensal”, afirma. Márcia detalha que o Fogão Mineiro tem capacidade total para 360 pessoas, mas o espaço pode ser divididos em setores para receber de 20 a 80 pessoas.

A gastronomia brasileira, especialmente mineira, preparada em fogão à lenha e num ambiente rural, completam a festa. “O nosso sistema é bem flexível. Oferecemos buffet à vontade e cardápio à la carte da casa, mas também elaboramos menus personalizados. Risotos, massas e pratos vegetarianos estão entre as possibilidades”, diz Márcia.

Requinte

“Minha família é muito grande e unida. Temos mutos amigos. Queremos fazer uma festa menor, mas não muito intimista. E num ambiente elegante”, diz a farmacêutica Maria Eduarda Severo Leitte, que procura um local para o início do próximo ano.

Na dianteira da tendência dos mini weddings, o Bellini Ristorante, da Rede Vitória Hotéis, já tem reservas fechadas para esse tipo de evento até a primeira quinzena de junho 2022.

Com uma infraestrutura completa, mais um ambiente charmoso, decoração, climatização, cozinha de primeira, cardápios específicos para esse tipo de evento, bebidas, estacionamento, manobrista e segurança (além do próprio hotel para hospedar os convidados), a casa festeja os resultados.

“Com o inicio da fase de flexibilização, há duas semanas, registramos um número bastante positivo de procura por este tipo de serviço”, conta Eduardo Porto, gerente de Marketing da rede. Para ele, muitos casais adiaram as festas de casamento com um número grande de convidados até a normalização da situação – mas não querem esperar até lá para se casar e nem deixar a data passar em branco, então fazem um evento menor, apenas para família e alguns poucos convidados após o casamento no cartório.

Diferente das festas de casamento brasileiras, tradicionalmente sempre com muitos convidados, os mini weddings são muito comuns em países europeus e nos EUA. Mas, para Porto, a pandemia acabou forçando uma adaptação – que tem boas chances de se firmar de vez. “Eu acredito que este modelo de tipo de evento veio para ficar, mesmo depois da pandemia”, avalia.

No Bellini Ristorante, os mini weddings podem receber até 100 convidados durante os sábados, quando o salão é fechado com exclusividade. Mas a procura maior é para festas menores, com número de convidados entre 10 e 50 pessoas, conta Cristina Róseo, gerente do restaurante e responsável por esta área de negócios.

Para ela, a alta procura pelo espaço no Bellini se deve a fatores como praticidade, qualidade e custo. “Aqui os noivos encontram tudo que procuram, sem precisar gastar com cozinha, garçons, manobristas, aluguel de espaço e decoração, por exemplo”, diz.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor,deixe seu comentário
Por favor, informe seu nome aqui