No Dia dos Namorados, paixões extraterrestres também valem

0
Zoë Saldaña como a humana Uhura e Zachary Quinto como o vulcano Spock em "Star Trek" (2009) (Divulgação)

O Dia dos Namorados na Terra inspirou intrépidos desbravadores intergalácticos a levarem a discussão de relacionamentos para outros sistemas planetários. Os desbravadores, neste caso, são os membros da Base Estelar Campinas, grupo de entusiastas de ficção científica que se reúne novamente neste sábado (12), às 14h, na 30a edição de encontro periódico que, desta vez, gira em torno do tema “Romance na Ficção Científica”. O evento, como os anteriores, será virtual e transmitido pelo YouTube.

Mas o que diferencia os romances espaciais daqueles que se desenrolam em nosso planeta? Segundo a professora de inglês Adriana Ruiz, membro da Base Estelar desde 2009, a ficção científica abriga desde os casais clássicos, como os de histórias convencionais como comédias românticas, dramas etc, até aqueles de produções como “Star Trek”, nas quais “há uma discussão de diversidade, com (casais de) culturas diferentes, raças diferentes”, diz Adriana – um exemplo é o romance entre a tenente Uhura (Zoë Saldaña), uma terráquea, e Spock (Zachary Quinto), oriundo do planeta Vulcano, em um dos filme da franquia de ficção científica dirigido por J.J. Abrams. “A ficção científica aborda aspectos humanos, da sociedade, não só tecnologia, astronomia, ciências”, completa.

Ela observa que o gênero também trata de relacionamentos afetivos (ou algo similar) entre humanos e máquinas, como no filme “Ela” (2013), em que um homem se apaixona por um sistema operacional de voz feminina, ou mesmo entre dois robôs, a exemplo da animação “Wall-E” (2008). Em ambos os casos, há a questão do surgimento da consciência artificial, ou, nas palavras de Adriana, “de quando o indivíduo passa a existir”.

No Dia dos Namorados, paixões extraterrestres também valem 1
Vênus: antes tido como um planeta habitável, revelou-se um lugar onde a vida humana seria impossível (Foto: Divulgação)

Também inspirado pela data romântica, o encontro aborda o planeta Vênus, astro batizado em homenagem à deusa do amor da mitologia romana. O segundo planeta do Sistema Solar mais próximo do Sol é abordado em duas oportunidades na Convenção de Ficção Científica: em seus aspectos astronômicos, em análise feita por Leonardo Rossetti, e em sua presença na literatura, por Adriana Ruiz. “Vou tratar de obras literárias cujas histórias se passam no planeta, a maioria escrita antes dos anos 60, quando ainda se achava que Vênus era habitável”, adianta a palestrante, que explica que, após essa década, histórias ambientadas em Vênus saíram de moda após missões espaciais constatarem que o astro era assolado por temperaturas de 500 oC, com atmosfera composta por 95% de CO2 e de pressão esmagadora – condições muito longe de serem adequadas à vida humana.

O fato dessas narrativas ficarem obsoletas por conta de descobertas científicas demonstra que a ficção científica, apesar de lançar mão de generosas doses de imaginação e fantasia, se vale muito de dados da realidade. “Toda ficção científica que se preza tem um pezinho na ciência”, diz Adriana, que cita um exemplo clássico. “’20 Mil Léguas Submarinas’ (Júlio Verne, 1869) tem muito conteúdo náutico, navegação submarina. A ficção sempre vai buscar respaldo científico”, conclui a professora.

A programação, que será exibida nos canal do Cultura Abraça Campinas no Youtube, conta com transmissões ao vivo e conteúdo gravado, e é aberta a interações com os internautas. O conteúdo ficará disponível para ser assistido posteriormente.

SERVIÇO

30a Convenção de Ficção Científica

Sábado (12), às 14h

No Youtube do Cultura Abraça Campinas

PROGRAMAÇÃO

14h – Abertura

14h10 – Clipe de abertura da programação, por Walmir Morales

14h15 – “Diversidade: Casais de Star Trek”, com Júlia Massucatto Magalhães

15h – “Romance na Literatura e no Cinema Sci-Fi”, com membros da Base Estelar Campinas

15h40 – Sorteio de brindes

15h50 – “Fanfiction”, com Marizilda Masuccatto

16h30 – “O Planeta Vênus”, com Leonardo Rossetti

16h50 – “A Literatura Vai a Vênus”, com Adriana Ruiz

17h – Sorteio de brindes

17h10 – Encerramento

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor,deixe seu comentário
Por favor, informe seu nome aqui