Você sabe mesmo cuidar dos seus dentes?

0
Foto: Pixabay

Os maus hábitos e a higiene bucal falha ainda são problemas que acometem fortemente a população brasileira. Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde realizada pelo IBGE, divulgada em 2020, dos 162 milhões de brasileiros acima de 18 anos, 34 milhões perderam 13 dentes ou mais. E, ainda mais alarmante: 14 milhões de brasileiros já perderam todos eles.

Diferente do que se imagina, porém, preservar os dentes é bem mais simples do que parece. “A prevenção é o melhor jeito de garantir a saúde bucal”, afirma Fabio Azevedo, cirurgião dentista e consultor do Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da S.I.N. Implant System.

Ele explica que praticar uma rotina de higiene bucal, fazer visitas regulares ao dentista e manter uma boa alimentação são alguns dos pilares básicos para se garantir dentes bonitos e saudáveis. Confira as principais dicas para evitar a perda dos dentes:

Cultive o hábito do autoexame da boca. Verifique se há dentes quebrados, alterações na coloração da gengiva, sangramentos, feridas ou inchaços.

Verifique se sua língua está sempre rosada. Língua esbranquiçada, isso significa acúmulo de resíduos alimentares, o que favorece a proliferação de bactérias.

Visite o dentista regularmente. O ideal é a cada seis meses – mas isso não é regra; em alguns casos, pode ser uma visita anual. Estas consultas são essenciais para prevenir problemas que, caso não sejam tratados, podem se tornar graves.

Mantenha uma rotina de higiene oral. A escovação deve ser realizada, no mínimo, três vezes ao dia, após as principais refeições. E o uso do fio dental é essencial em todas as escovações para eliminar os restos de comida que se acumulam na gengiva.

Acerte na escolha da escova de dentes. Ela deve ser macia ou extra macia e ter a cabeça pequena. Escovas de cerdas médias ou duras podem causar agressões à gengiva e acarretar problemas como a retração gengival, entre outros. Quanto ao tamanho, geralmente quanto maior a escova, menos a higiene dos dentes será efetiva, pois fica difícil alcançar regiões mais estreitas da boca.

Evite cremes dentais com ação clareadora. A grande maioria das pastas disponíveis no mercado são efetivas, mas aquelas que prometem clareamento dos dentes podem conter substâncias abrasivas e, a longo prazo, são prejudiciais.

Escove a língua. Muita gente esquece de higienizar a língua, o que é um erro, porque ela concentra um grande volume de bactérias causadoras de cáries. Vale até comprar um acessório específico, conhecido como higienizador de língua, para garantir uma limpeza efetiva.

Atenção à dieta. Alimentos açucarados demoram mais para serem eliminados da boca e podem aumentar o risco de cáries. Assim, o ideal é reduzir a ingestão de doces e o hábito de tomar refrigerante – este último também é nocivo por conter ácidos prejudiciais para os dentes.

Evite fumar. O tabagismo altera a resposta imunológica do organismo e o paciente fica mais suscetível a desenvolver doenças gengivais e o câncer bucal. Além disso, o alcatrão, presente no cigarro, mancha os dentes, favorecendo a formação de cáries, e causa mau hálito.

Mantenha o diabetes controlado. A doença ocasiona risco maior de se desenvolver complicações como gengivite e periodontite, que, se não tratadas, podem desencadear a perda dos dentes.

Afaste o estresse e a ansiedade. Quem enfrenta distúrbios crônicos de saúde mental tem uma chance maior de desenvolver problemas na boca e nos dentes. Isso acontece porque o nervosismo contribui para a diminuição do fluxo salivar, que tem papel fundamental na proteção bucal.

Cuidado com a boca seca. A xerostomia, que é a famosa boca seca, diminui a salivação e favorece o surgimento de cáries recorrentes, doenças gengivais e candidíase oral. Tomar bastante água ajuda a evitar o problema – mas há também o caso de alguns medicamentos para depressão que acentuam o problema. Por isso, é imprescindível que pacientes que fazem uso destes remédios mantenham visitas regulares ao dentista.

Roer unhas, jamais. A pressão contínua nos dentes causa desgastes, a ponto de, em casos mais graves, provocar fissuras e fraturas. Além disso, as bactérias vindas das unhas podem levar a infecções intestinais.

Evite dar chupeta às crianças. Ela freia o desenvolvimento da cavidade bucal e pode causar alterações na mordida ou no padrão de crescimento ósseo. O melhor é não oferecer a chupeta após os dois anos de idade.

Modere na bebida. O álcool deprime o sistema imunológico, o que facilita a ocorrência de inflamações e infecções no organismo. Além disso, a elevação da acidez causada pela maior parte destas bebidas leva à perda de cálcio e ao enfraquecimento do esmalte dos dentes.

Invista na maçã. Ela é uma fruta que tem efeito adstringente e, assim, promove uma limpeza na cavidade bucal. Outro benefício é que a maçã estimula os tecidos gengivais e a produção de saliva, o que pode prevenir cáries. Mas não facilite: ela não substitui a rotina de higiene oral.

Fique atento na troca da escova. O ideal é que ela seja substituída a cada três meses ou quando há sinais de desgaste, como cerdas esgarçadas. Após noventa dias de uso, as escovas se tornam menos eficientes na eliminação da placa bacteriana.

Use enxaguatórios bucais, mas com parcimônia. Existem diversos tipos no mercado, com ativos e funções distintas, que vão ajudar no controle da placa bacteriana e, assim, na prevenção das cáries e das doenças gengivais. Mas é bom lembrar que estes produtos devem ser utilizados sob orientação do dentista, pois o uso indiscriminado pode alterar a coloração e até manchar os dentes.

Quando necessário, procure especialistas. Hoje em dia, há dentistas habilitados para lidar com os mais diversos problemas – desde os focados em desordens da gengiva até os que são experts em feridas, por exemplo”. Ao procurar ajuda especializada, o tratamento será mais assertivo e eficaz.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor,deixe seu comentário
Por favor, informe seu nome aqui